17/02/2011

da saudade...

que é constante. Principalmente nos fins-de-semana que não estamos juntos. Principalmente nesta semana que nos trocou as voltas. Principalmente quando imaginamos passar umas horinhas um sem o outro. Principalmente sempre, porque até quando estamos juntos sentimos já saudades um do outro.

E quando as coisas não correm bem, quando surgem os problemas, as saudades chegam mesmo a doer. A doer muito... E com elas vem a vontade de largar tudo por um abraço, um afago da alma, um "vai correr tudo bem" ali, bem perto do nosso ouvido.

Depois, quando fica tudo bem, a saudade deixa de doer tanto, mas insiste e persiste.

É assim o amor.

13/02/2011

New beginning - part 2


Como eu dizia no post anterior, a vida tranforma-se e vai nos tranformando com ela.

Um dia, a vida soube-me mostrar o  amor (pelo menos, aquele que pode ser apelidado como tal até agora).

Com esse amor, aprendi a saber esperar, a alimentar-me do hoje, a não pensar nem desesperar com o amanhã, a acreditar que se o coração teima é porque vale a pena acreditar que não é uma teimosia vã.

Com esse amor, aprendi a trocar a certeza do Amanhã pela "degustação" do Agora, a viver cada pedacinho de tempo com mais intensidade, aproveitando cada gesto e cada palavra para alimentar a teima deste meu coração.

Valeu a pena! Às vezes, consigo sentir mesmo a sensação de "missão cumprida".
Valeu incrivelmente a pena.

Entretanto, a vida ensinou-me a ser feliz! :)

New beginning :)

"Um dia, disseram-me que, na vida, teria de optar entre escrever e viver. Optei, sem hesitar, por escrever. E sei, hoje, que é ao escrever, e só ao escrever, que sou capaz de viver."


Pedro Chagas Freitas


A vida transforma-se, tranformando-nos.
Por vezes, no decuros das transformações, vamos esquecendo o que é realmente importante, o que faz realmente sentido...
Escrever sempre foi fundamental na minha vida. Por diversas vezes, fui deixando o fundamental para trás. Foram tantas e tantas vezes.

Depois, há dias em que damos connosco a pensar naquilo que passou, no que deixamos de fazer apenas porque sim. Há dias em que damos connosco a pensar que, Meu Deus, como é que deixamos cair em esquecimento aquilo que nos faz tão parte de nós.

Hoje, foi um desses dias... Foi isso que me levou a querer recomeçar. Porque sim.

It's a new beginning! :)